Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm direito a opinião...

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A origem da decadência está no nascimento


John Law foi um economista escocês nascido em 1671.

É conhecido como o fundador do sistema bancário.

Após ter fugido de Inglaterra, onde estivera preso por homicídio, viveu na Holanda e mais tarde mudou-se para França.

Em França a situação financeira era marcada por insuficiência de moeda e excessivas desvalorizações. Logo, Law percebeu que os seus conhecimentos de economia e finanças ali serviriam para crescer.

Propôs a criação de um banco estatal centralizador que detivesse o monopólio de todas as actividades financeiras."Não existe país forte sem banco forte", afirmava Law.

Em 1717, fundou uma companhia no estado americano do Louisiana, então colónia francesa, que detería o monopólio do comércio no rio Mississipi.

No mesmo ano, o banco foi nacionalizado sob o nome de Banque Royale, John Law foi nomeado presidente. Por esta altura começou a especular financeiramente para cobrir rombos causados pela companhia fraudulenta do Louisiana.

Nesta mesma época foi ordenada a impressão de papel-moeda em montante equivalente a três vezes a dívida pública, o que fez disparar a inflação em França.

Devido à crise que resultou da especulação, Law foi demitido no mesmo ano da liderança do banco Royale. Teve de fugir de França e foi para Veneza. 


Morreu de pneumonia em 1729, totalmente desacreditado.

Esta crise ficou conhecida como o Esquema do Mississipi. É-lhe atribuída grande importância no desencadear posterior da Revolução Francesa. A palavra "banque" não foi utilizada em França, durante muitos anos utilizava-se o termo "crédit".

Thomas Jefferson (1743-1826) profetizou de forma notável:

“Se o povo americano alguma vez permitir aos bancos que controlem a emissão do dinheiro, primeiro pela inflação e depois pela deflação, os bancos e corporações que crescerão em torno deles privarão o povo da sua propriedade até que os seus filhos acordem sem lar no continente que os seus pais conquistaram”.

Esta advertência aplicava-se também a todos os outros povos do mundo.

Por aqui verificamos que o liberalismo desenfreado não é de hoje e as consequências já são conhecidas e mantêm-se actuais...

Enviar um comentário