Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm direito a opinião...

domingo, 2 de dezembro de 2012

Livro: Na margem do Rio Piedra sentei e chorei - Paulo Coelho


Paulo Coelho foi um autor que me despertou curiosidade por haver sempre em exposição em qualquer livraria. Muito prolífico, muitos títulos apelativos e capas comerciais. Nunca tive oportunidade de ler.

Resolvi, finalmente comprar e tentar ler.

Disse bem: tentar, porque tentei por duas vezes lê-lo até o fim e não consegui.

A linguagem é simples e directa, mas plena de lugares comuns e construções mecânicas. O leitor pouco intervém no romance repleto de imagens e raciocínios pre-concebidos e fechados.

A narradora é enfadonha, analítica e profundamente dogmática.

Um romance cheio de parábolas pouco conseguidas, próprias para colocar em notas de rodapé.

Não recomendo. Por mim Paulo Coelho está descartado da minha biblioteca.

Não quero ser injusto, mas trata-se de um escritor demasiado estereotipado.

Livro: Cem anos de solidão - Gabriel Garcia Marquez

Marquez coloca-nos perante a transitoriedade da humanidade e a eternidade da Natureza, numa escrita sublime e fantástica.

Para mim o personagem fulcral é o tempo. É o tempo que transporta o romance e o leitor para um universo fantástico mas real. Damos por nós a tomarmos consciência da nossa própria insignificância porque o ciclo da vida é eterno mas sem retorno, Macondo é o planeta Terra.


O humor é negro e quase trágico, num romance intemporal e absolutamente genial.

Muito modestamente faço a minha vénia ao génio de Gabriel Garcia Marquez, de tudo o que li até hoje: o melhor livro de todos.

Uma obra que não pode ser descrita, apenas lida.

É obrigatório ler este monumento literário.