Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm direito a opinião...

domingo, 13 de abril de 2014

Dan Cooper, o crime perfeito?

Isto parece coisa de cinema e não a vida real, mas desde há 40 anos que o caso DB Cooper permanece como o único sequestro da aviação americana ainda não resolvido.


Em 1971, um homem que se identificou como ‘Dan Cooper’ comprou uma passagem de Portland, Oregon, para Seattle, Washington. Durante o voo anunciou à tripulação que tinha uma bomba a bordo e exigiu um resgate de US$ 200 mil em dinheiro (hoje seriam cerca de US$ 700 mil), quatro pára-quedas e um camião de combustível esperando por ele em Seattle.


A companhia aérea decidiu concordar com as exigências e, após a libertação dos passageiros e reabastecer em Seattle, Cooper e a tripulação levantaram voo para Reno. Exigiu que o voo fosse efectuado a baixa velocidade e a uma altitude média de 10.000 pés. 

Os pára-quedas não podiam ser sabotados porque o FBI não sabia se o pirata do ar levaria consigo alguns membros da tripulação. 


Durante o voo a parte traseira do avião foi aberta e Cooper saltou sozinho de pára-quedas. Nunca mais foi visto. 
Sobre Dan Cooper muito se tem especulado. Há quem afirme que viveu na Florida após o golpe. Que terá ido viver para um país sul americano. A tese mais provável é que terá morrido no salto de pára-quedas ou por hipotermia.
Em 1980, dois pacotes de 100 notas de US$ 20 e um terceiro pacote de 90 notas foram encontrados no Estado de Washington, reforçando a hipótese do FBI de que Cooper não sobreviveu ao salto de pára-quedas, mas nenhuma explicação foi encontrada para o facto de faltarem dez notas de um terceiro saco. O restante dinheiro nunca foi encontrado.
O caso está em aberto até hoje. Ainda existem recompensas para quem revele pistas no sentido de o resolver.
Depois deste episódio, foram feitas várias alterações de segurança nos aviões comerciais para evitar que tal torne a acontecer da mesma forma.

Terá sido o crime perfeito?
Enviar um comentário