Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm direito a opinião...

domingo, 11 de dezembro de 2016

Stanislav Petrov, o homem que salvou o mundo.

O alarme toca, as luzes vermelhas de alerta acedem, os avisos sucedem-se, está em curso um ataque nuclear, misseis americanos atacam território da URSS. O que fazer?

A 26 de Setembro de 1983 o Tenente-Coronel Stanislav Petrov era o oficial do dia que tinha a responsabilidade de controlar os computadores da defesa anti-misseis numa base nos arredores de Moscovo.

Vivíamos um dos períodos mais conturbados da Guerra Fria, três semanas antes os soviéticos tinham abatido um Boeing Sul- Coreano com 269 civis a bordo. Alegaram que o avião invadira o seu espaço aéreo sem permissão.

Petrov tinha em mãos um dilema, se aceitasse como válidos os alertas e comunicasse o facto aos seus superiores desencadearia um ataque nuclear aos Estados Unidos, o que despoletaria uma Guerra Nuclear global. Por outro lado se ignorasse os sinais e o ataque americano fosse efectivo, Moscovo seria destruída e ele seria o principal responsável pela catástrofe.

O militar soviético ponderou por momentos. Na sua ideia um ataque nuclear não seria desencadeado por apenas 5 misseis. O sistema já dera mostras anteriormente de ter falhas. Resistiu em aceitar o alarme como genuíno. Tinha apenas alguns segundos para tomar uma decisão. Considerou o alerta como falso alarme por erro do sistema.

Os minutos passaram e então pôde constatar que tinha razão, não havia qualquer ataque. Os sensores do satélite que emitira o aviso haviam sido iludidos por um alinhamento de raios luz sobre as nuvens.

Naquela noite Petrov não deveria estar de serviço, viera substituir um colega. Este acaso terá salvo o mundo da eclosão da Terceira Guerra mundial, porque foi o seu bom senso que evitou a tragédia.

O tenente coronel Petrov veio a ter problemas mais tarde com a hierarquia do exército soviético porque desobedecera ao protocolo instituído. Para os superiores o reconhecimento da falha do sistema era despiciente, mais importante era a disciplina do militar. Foi deslocado para postos sem importância onde não tinha tomar decisões. Veio a ser reformado 2 anos depois.

O mundo foi salvo por um homem anónimo. A sua história foi ocultada até 1998.

Em 2004, a Association of World Citizens premiou Stanislav Yevgrafovich Petrov com o título de Cidadão do Mundo.

Aos 77 anos, vive sozinho numa casa modesta em Fryazino, nos arredores de Moscovo. Devido às pressões que então viveu a família abandonou-o pouco tempo após o incidente.

Não se considera um herói, na sua simplicidade diz que estava no local certo na hora certa.

Este homem nunca ganhou o Prémio Nobel da Paz.


Enviar um comentário